Ai Que Saudades da Amélia…♫♪♫♪

Posted on 31 de Outubro de 2009

0


Amelia_de_verdade

Ai Que Saudades Da Amélia

“Nunca vi fazer tanta exigência
Nem fazer o que você me faz
Você não sabe o que é consciência
Nem vê que eu sou um pobre rapaz Você só pensa em luxo e riqueza
Tudo o que você vê, você quer
Ai, meu Deus, que saudade da Amélia
Aquilo sim é que era mulher Às vezes passava fome ao meu lado
E achava bonito não ter o que comer
Quando me via contrariado
Dizia: “Meu filho, o que se há de fazer!”Amélia não tinha a menor vaidade
Amélia é que era mulher de verdade…. ”
(Ataufo Alves/Mario Lago).

Lançada em janeiro de 1942, a música fez sucesso, não desagradando homens e mulheres, que aceitaram o que Ataulfo disse numa entrevista: “Amélia é compreensão, é ternura, é vida”. Não é um hino à submissão. “Ela simboliza a companheira ideal, que luta ao lado do marido, vivendo de acordo com suas possibilidades, sem exigir o que ele não pode dar”, mas cá entre nós esta música é a treva” para qualquer Amélia, pois sempre tem um engraçadinho “no sense” que cantarola a música assim que a pobrezinha se apresenta e ai aja paciência.  Bom, a melódia é linda e a origem do nome francesa da um toque especial e chic,  o que ocorre  é que na grande maioria das definições encontradas indicam que as principais características indicam uma pessoa Cúmplice e Sofredora, fato este que enfraquece  a disseminação do nome. Bem, eu particularmente adoroooo nomes fortes!  Entretanto quem quiser fugir um pouquinho do estigma (falsa crença de sofredora e sem vaidade) fique sabendo que pode optar pela variação do nome “Amália” e para esta variação encontramos a seguinte definição:  uma pessoa  muito original, inteligente e dotada de muita garra para alcançar seus objetivos,  sabe investir bem o dinheiro que ganha, razão pela qual consegue fazer um bom pé-de-meia.

Hoje em dia todas as mulheres que trabalham fora ( nossas  avós, mães, tias, irmãs, filhas..), se desdobram quando chegam em casa e  fazem milagres com o tempo, sempre objetivando reservar um tempinho para que possam  se cuidar e manter-se  sempre belas. Neste contexto, sim,  podemos  dizer que foi o tempo em que somente a Amélia era mulher de verdade.

Na minha família há muitos  exemplos de grandes mulheres, mas hoje vou falar da maior e mãe de todas. Não se chama Amélia, mas sim Sônia.Ela existe de fato e aos dezoito anos, despontando para uma maioridade tão aguardada, viu-se mãe de seis crianças. É pessoal, imagem o quanto  ela trabalhou para criar suas irmãs, em especial de um bebê, com apenas uma semana de vida. Isto ocorreu face a uma tragédia familiar, onde Sônia,  a filha mais velha acabou por  ter que assumir a tutela dos irmãos menores, depois da morte dos pais.  Já se passaram quase 30 anos de uma vida de luta (1970-2009) que ainda continua. Mesmo hoje estando aposentada trabalha em dois empregos, e em sua casa não sossega um minuto. É um exemplo de mulher batalhadora! Mas mesmo com todas as dificuldades que enfrenta no seu dia-a-dia e as maselas de sua saga, vocês podem ter certeza é fácil, fácil tirar um sorriso seu, ela se mantem animada e sempre é a primeira a aceitar qualquer convite de festa, reunião ou passeio, também é a primeira a ficar pronta. Então, se o  Ataufo fosse vivo eu lhe apresentaria Dona Sônia e com certeza o grande sambista diria,  após conhecê-la, “Esta é a Mulher que eu quero ao meu lado de Verdade!“.  E,  para quem está procurando um nome de fibra para colocar em seu bebê,  que tal  Sônia ou Amélia?!

Saibam que este ano comemoramos  O centenário de Ataulfo Alves, para saber mais visite o endereço: http://www.revistabula.com/materia/o-centenario-de-ataulfo-alves-/1300

Nossa fiquei cheia de energia de repente e vou finalizar em alto astral convidando a todos a assistarem  o vídeo abaixo, uma homenagem do Castigo Elétrico à todas mulheres do Planeta! Música composta por Roberto Terremoto: